Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Pátio do 1º CTA, Rua Cleveland, 250, com entrada pelo 1º CGEO, antiga 1a. DL, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 69m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 7,5 + 5log (D): 14,73; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,04; Comprimento do tubo óptico: 17” (43,18cm); Massa: 42 libras (19,1kg).

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Aluno do CMPA selecionado para a fase nacional da XII OBA


Na data de hoje foi confirmada a presença do Aluno Guilherme Werberich SELBACH, da Primeira Série do Ensino Médio, Turma 105, na X Escola de Astronomia a ser realizada em Águas de Lindóia, São Paulo, entre 26 de setembro e 01 de outubro. A participação do aluno SELBACH na X Escola de Astronomia deve-se ao fato de ele ter se classificado na XIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (XIII  OBA) realizada em maio deste ano. Segundo informações da página oficial da OBA, o evento mobilizou 784.390 alunos e 68.481 professores em 9.149 escolas de todos os Estados do Brasil. De todo esse universo 60 alunos foram selecionados para participar da X Escola de Astronomia. Desses 60 alunos, 5 serão selecionados para participar da III Olimpíada Latino Americana de Astronomia (III OLAA) em 2011 no Chile e outros 5 para participar da V International Olympiad on Astronomy and Astrophysics (V IOAA) na Polônia.
Estiveram presentes no ambiente do Laboratório de Física do CMPA para  oficializar a confirmação da participação do aluno SELBACH na X Escola de Astronomia o Diretor e Comandante do CMPA, Cel Antônio Augusto Vianna DE SOUZA, o Presidente da AACV, Cel Raul Fernando Meneguetti REGADAS, o Coordenador do PROPEN, Cel Leonardo ARAUJO, o aluno SELBACH acompanhado de sua mãe, Sra. ANA, e os professores 1° Ten Gentil César BRUSCATO e Luiz Carlos GOMES.
Na ocasião, em nome do Clube de Astronomia, do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé e do Colégio Militar de Porto Alegre, foi ofertado ao aluno um exemplar do livro "Astronomia e Astrofísica", de autoria dos professoes Kepler de Souza Oliveira Filho e Maria de Fátima Saraiva. Temos certeza, que o aluno SELBACH, muito vá utilizar esse livro nos próximos 12 meses . . .

Parabéns ao SELBACH e sucesso!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Noitada Internacional de Obsrvação da Lua em 18/09/2010

UMA FOTINHO DO ASTRO DA NOITE

MAIS OBSERVAÇÃO DA LUA

AL. DORIGON e SAMERSLA

CB LEAO e AL. SELBACH

OBSERVAÇÃO DA LUA

PROFESSOR GOMES AJUSTANDO A LUNETA

AL. SCHMITT e MARTINS

NOITE DE OBSERVAÇÃO DA LUA



A NOITE DE OBSERVAÇÃO DA LUA OCORRIDA DIA 18 DE SETEMBRO DE 2010, INICIANDO AS 19h00min, PROMOVEU A INTEGRAÇÃO DOS ALUNOS, PAIS E PROFESSORES DO CMPA. ENTRE OS PRESENTES ESTAVAM OS ARTISTAS QUE PRODUZEM MÚSICA DOS ASTROS.

ENERGIA ESCURA

Equipe de cientistas constrói câmera para observar 300 milhões de galáxias




FONTE DA FOTO: Stefan Heutz, Wolfgang Ries e Cord Scholz.

Quando os cientistas tropeçam numa surpresa, em algo que não compreendem, não ficam de braços cruzados, extasiados, mas imediatamente começam a inventar experimentos e observações para vencer o mistério, mais ainda quando se trata de uma descoberta que altera em grande medida o conhecimento que se tem da evolução do universo. Trata-se da energia escura, cuja existência era desconhecida há pouco mais de uma década e que agora atrai a atenção dos cosmólogos do mundo todo. Não era para menos: segundo as observações mais precisas realizadas, a energia escura constitui 72% de todo o universo e não se sabe o que ela é e a que leis obedece, mas está presente e é observada.

Para tentar esclarecer sua natureza, meia dúzia de câmaras astronômicas especiais estão sendo preparadas. Uma ficará pronta no próximo ano. Ela está sendo construída nos EUA e os astrônomos captarão com ela cerca de 300 milhões de galáxias, algumas tão antigas que emitiram a luz que chega agora à Terra logo no início do universo, poucos milhões de anos depois do Big Bang. O projeto se chama Dark Energy Camera e participam especialistas de vários países, incluindo a Espanha.

“Nosso objetivo principal é determinar a natureza da energia escura”, explicou recentemente Josh Frieman, diretor do projeto DES, que está fazendo a câmera norte-americana, no Centro Pedro Pascual de Benasque (Huesca). “A energia escura tem dois efeitos nos quais nos basearemos para investigar sua natureza: acelera a expansão do universo e modifica a velocidade com a que se formam as galáxias, e isso, por sua vez, afeta o número de galáxias e sua distribuição no espaço. Assim, contando as galáxias e medindo sua distribuição, obteremos pistas sobre o que ela é.”

Essa aceleração foi, efetivamente, a primeira pista que duas equipes de astrônomos encontraram há 12 anos. Até então, a cosmologia dizia que o universo, que está em expansão há 13,7 bilhões de anos, se expandiria cada vez mais lentamente devido à ação gravitacional de sua própria matéria. Mas em 1998, descobriu-se que na realidade está acontecendo justamente o contrário: o cosmos se expande agora mais depressa que antes. Como é possível? O que provoca este fenômeno? Ninguém tem a resposta e, enquanto isso, observações confirmaram essa aceleração. Se isso parecer um pouco estranho, nos primeiros 8 bilhões de anos a expansão foi desacelerando, como era de se esperar devido à ação gravitacional de sua própria matéria, mas depois a coisa mudou e começou a acelerar.

“A resposta está na energia escura, uma misteriosa força antigravitacional, de maneira que, quando o universo era jovem, a gravidade dominou, mas com o tempo, a matéria se dispersou o suficiente para que essa atração entre as galáxias diminuísse e a energia escura começou a dominar, uma força repulsiva que supera a atração da gravidade e faz com que as galáxias se distanciem entre si mais rapidamente”, explica Kristine Crane na revista Symmetry.

As explicações para este fenômeno são buscadas em várias direções, incluindo a ideia de Albert Einsten de uma constante cosmológica que teria precisamente esse efeito de repulsão gravitacional e que ele mesmo rejeitou. Outra hipótese, por exemplo, recorre a uma dimensão espacial extra para acelerar a expansão.

A câmera DES que é fabricada nos EUA (no Fermilab, Chicago) verá mais galáxias a grandes distâncias no universo do que qualquer outro programa de observação até agora, afirmam seus responsáveis. Ela tomará dados de supernovas longínquas (o que informa sobre a distância das galáxias em que estão), sobre os grupos de galáxias em grande escala e sua abundância e sobre a curvatura que provocam na trajetória da luz. “Vamos cartografar a distribuição das galáxias desde a situação atual até o universo de quando tinha poucos milhares de anos”, disse Joe Mohr em Symmetry.

Do universo primitivo, de quando tinha apenas 380 mil anos, os cosmólogos têm mapas, e o último foi o que o telescópio Planck fez, da Agência Europea do Espaço. E foi o estudo da radiação deste universo primitivo o que permitiu calcular que a energia escura representa 72% do cosmos, enquanto o resto é de matéria ordinária (5%) e matéria escura (23%).

A câmera DES (com participação de 120 especialistas dos EUA, Brasil, Espanha e Reino Unido), custa 39 milhões de euros e têm 74 detectores CCD (cada um de 3x6 centímetros), é montada sobre uma placa de meio metro de diâmetro. Para ver a luz infravermelha, os sensores funcionarão a cem graus abaixo de zero. Quando estiver terminada será instalada num telescópio no Chile.

“No DES participam espanhóis de várias instituições”, diz Juan García-Bellido, físico teórico da Universidade Autônoma de Madri, citando também a Ciemat, o Instituto de Física Altas Energias (Barcelona) e o Instituto de Estudos Espaciais da Catalunha. “Além disso”, nesses centros são feitos componentes importantes da câmera, como a eletrônica de transmissão de sinais desde os CCD até o registro de dados e parte do sistema de criogenia”. Mas os espanhois também estão desenvolvendo outra câmera similar à do DES, “que terá uma maior resolução e com um maior número de filtros), explica García Bellido. Trata-se de um projeto de detecção de energia escura que sofreu reajustes de pessoa e de objetivos.

Aos cientistas ocorreu também outras estratégias para abordar a energia escura, como estudar o chamado efeito BAO (oscilação acústica bariônica), e já estão desenhando, também nos EUA, outro detector específico.