Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Pátio do 1º CTA, Rua Cleveland, 250, com entrada pelo 1º CGEO, antiga 1a. DL, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 69m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 7,5 + 5log (D): 14,73; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,04; Comprimento do tubo óptico: 17” (43,18cm); Massa: 42 libras (19,1kg).

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

CONSTRUINDO UM PLANETÁRIO

O link a seguir mostra como podemos construir um pequeno planetário em casa para auxiliar nosso estudo  dos fenômenos celestes. Nesse pequeno planetário podemos desenhar as linhas do equador celeste, da eclíptica, os pontos cardeais (N, S, L, O), além de algumas estrelas e constelações que conhecemos em cada estação. 




Bibliografia

http://www.pontociencia.org.br/experimentos/visualizar/planetario-de-pobre/238
http://astro.if.ufrgs.br/esf.htm

sábado, 28 de julho de 2018

Eclipse da Lua visto desde Porto Alegre

No entardecer do dia 27 de julho de 2018 conseguimos apreciar um pouco o eclipse total lunar no ambiente do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé, do CMPA. Quase que não conseguimos registrar nada, pois o dia amanheceu, como todos os outros dias da semana, nublado, fechado, com nuvens carregadas. Foi um dia úmido. Na realidade, até tínhamos pensado em realizar

 um evento para a observação do céu para o público do CMPA e demais interessados,em geral, depois de acontecido o eclipse, mas cancelamos a atividade e nos dispersamos. Por uma questão mais de teimosia que de certeza, o Prof. Gomes após o meio-dia dirigiu-se para o Observatório para ver se conseguiria "pescar"alguma imagem, caso o tempo melhorasse. Qual não foi nossa surpresa, às 16h00 o tempo começou limpar e comuniquei que estava a postos. Imediatamente recebi mensagem pelo Whatsapp que a professora aposentada do CMPA, Maria Helena Gravina, estava a caminho com sua irmã, também professora aposentada, pela UFRGS, Maria Alice Gravina.
Criamos um belo ambiente regado a chimarrão e muita conversa em torno da expectativa do que poderíamos ver do eclipse. Logo após se aprochegaram também o SubTen SANDRO Marcelo de Souza Bezerra, com sua esposa Cristiane Maciel de Souza Andrade e seus filhos Julia e Felipe, moradores do residencial do 1 CTA. A senhora Crisitiane já é conhecedora do nosso trabalho, pois em 2016 trouxe para o Observatório turmas de alunos do Colégio Rosário, onde é professora de Geografia, e sempre que vê movimento no Observatório dá uma aparecida para ver se acompanha nossos trabalhos.  No final conseguimos ver boa parte do etapa final do eclipse, que foi a saída da Lua da umbra da Terra. Conseguimos algumas boas fotos apesar da alta umidade da atmosfera. O Sub Ten Sandro também tirou belas fotos com sua câmera. 

Além de apreciarmos a evolução do eclipse da Lua, apreciamos também, desde antes do escurecer, a presença muito brilhante do planeta Marte, que também estava em evidência, pois no dia 27 Marte e Terra se encontravam na maior aproximação possível para a época. Todos puderam apreciar também os planetas Vênus, Júpiter e Saturno, além de algumas estrelas e constelações notáveis. Mercúrio não pôde ser visto porque as nuvens no horizonte oeste estavam muito espessas.







quarta-feira, 11 de julho de 2018

Época de eclipse total da Lua, de ver Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno

Mês de julho é época de vermos à vista desarmada (olho-nu) várias efemérides no céu noturno. Há tempos já estão visíveis no céu os cinco planetas: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Onde encontrá-los? 

Sempre é bom termos a orientação de alguém que já esteja acostumado a olhar o céu para nos mostrar a localização exata dos astros. Vamos tentar neste blog ajudar na localização dos planetas e por último discorreremos sobre o eclipse. As orientações que seguem são válidas para Porto Alegre, entre os dias 11 de julho e 27 de julho de 2018. Os horários estão todos aproximados, podendo diferir em alguns minutos.

Mercúrio: aparece como uma estrela de brilho fraco logo após o por-do-sol. Espere o sol se por e fique olhando atentamente para o poente. Trace uma linha mentalmente que una o oeste com o leste e sobre essa linha, a poucos graus de altura de onde o Sol se pôs ele estará visível. Se põe em torno de 19h30.

Vênus: mesma orientação que foi feita para a observação de Mercúrio. Com uma vantagem. É um astro muito branco e brilhante que para olharmos diretamente será necessário inclinarmos a cabeça um pouco para cima, pois está mais alto que Mercúrio. Se põe em torno de 21h00.

Marte: no dia 11 de julho nasce em torno de 19h e em 27 de julho nasce em torno de 17h30. Isso faz com que se torne visível no céu, acima das paisagens, sem sacrifícios, a partir de 20h00. Como encontrar Marte? Se antes você olhava para o poente para ver Vênus e Mercúrio, agora Marte estará às suas costas, olhando-se para o leste. Não tem como errar. é o astro mais brilhante e amarelado a meia altura do horizonta ("um palmo" de altura com o braço bem esticado). Neste ano as órbitas da Terra e de Marte se aproximam, de tal forma que a maior proximidade acontecerá no dia 27 de julho. Aproveite para acompanhar Marte ao longo do ano, porque à medida que as órbitas começam a se afastar seu brilho será notadamente menor.

Júpiter: não tem como errar! É o astro superbrilhante acima de sua cabeça!!!!

Saturno: Esse vai ser um pouco mais difícil de ser distinguido. Se encontra entre Marte e Júpiter. é um astro com brilho médio, meio amareladinho. Ele fica mais difícil de ser distinguido pelo fato que sua coloração pode confundi-lo com a estrela Antares da constelação do Escorpião. Mas ao se olhar para o céu, após distinguir Júpiter e Marte faça o seguinte. Entre Marte e Júpiter teremos duas estrelas de brilho médio amarelado, uma mais próxima de Júpiter e outra mais próxima de Marte. A que estiver mais próxima de Marte é Saturno!!! Aparentemente, elas dividem a separação entre Marte e Júpiter em quase que em quatro partes iguais.

Elipse da Lua: no dia 27 de julho teremos um dos eclipses totais da Lua dos mais longos, pois ela cruzará a sombra da Terra quase que exatamente pelo seu diâmetro. Porém, a totalidade não será visível para nós, em Porto Alegre, pois a entrada na umbra (sombra) iniciará às 15h26; sua imersão na totalidade iniciará às 16h27; o centro do eclipse às 17h21; o fim da totalidade e início da saída da umbra às 18h13. A Lua terá saído totalmente da umbra às 19h17. Como a Lua nasce em torno de 17h46, nós a veremos nascendo saindo da totalidade. É lindo do mesmo jeito! Tenha às mãos uma boa câmara fotográfica.

Claro, só veremos tudo isso se as condições do tempo estiverem boas. Inicie a partir de hoje a localização dos cinco planetas visíveis e acompanhe suas evoluções no céu ao longo desses dias.

Se você quiser saber as condições do eclipse da Lua em sua cidade, mande um e-mail para nós, ou entre em contato através de Comentário, ao final deste texto.

Céu limpo para todos!


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Show do por-do-sol em Porto Alegre

Após quase um ano sem publicações, nosso blog volta com força total. Para recomeçar, nada como presenciar um belo por-de-sol durante as atividades. As imagens abaixo, coletadas através de telefones celulares, iPhone e Androides, pelos professores Gomes, Bruscato e Asp Sabrina Richter, sem câmeras especiais, sem filtro e sem qualquer outro artifício mostram o lugar comum que confirma o dito que Porto Alegre tem o mais belo por-do-sol do mundo. Graças à presença de cristais de gelo e umidade na atmosfera, a natureza nos contempla com a beleza das fotografias que seguem. Todas as imagens foram tomadas a partir do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé, do CMPA, situado no bairro Santa Teresa, no pátio do 1º CTA.










Para completar o sucesso das observações, após anoitecer registramos imagens fabulosas da superfície rente ao terminador da lua-crescente obtidas com nosso telescópio Celestron 11 e câmera SBIG7. A nitidez das imagens ultrapassou nossas expetativas, uma vez que o céu estava impregnado de umidade formando um fog que tapava totalmente as estrelas e formando um halo de luminosidade em torno da Lua. As imagens que seguem cobrem uma área de campo visual de 8' de largura por 5' de altura, lembrando que o diâmetro angular da Lua se encontra em torno de 0,5º (30').