Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Rua Cleveland, 250, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 75m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 2,5 . log (D / 6,2) 2 + mVS: 14,7; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,7; Comprimento do tubo óptico: 17”; Massa: 42 libras (19,1kg).

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

OBJETOS NO CÉU




Vênus
Por vezes temos a curiosidade de olhar para o céu, seja por ter no lá no alto uma Lua brilhante que chama nossa atenção, seja por alguém ter nos dito que havia alguma estrela notável, seja por estar ocorrendo uma conjunção de dois ou planetas que nos aparecem próximos, ou seja ainda por ser visível no céu a ISS (International Space Station) a Estação Espacial Internacional que orbita o planeta a uma altitude entre 380km a 400km, descrevendo uma volta na Terra a cada 90 minutos.
Júpiter
A visão desses objetos, para as pessoas que estudam o Universo, se reveste de importância especial pois percebemos lá o nosso conhecimento. Não há conhecimento nas luas de Júpiter, ou nas crateras da Lua, ou nas fases de Vênus, (O que? Vênus tem fases?), ou na constelação de Órion. Aqueles que estudam Astronomia é que “conhecem” as 62 luas de Júpiter, a Lua, Vênus, as “Três Marias” e tudo o mais de maravilhoso que existe neste infinito universo.
Agora imagine um professor de Física que tem para com os aspectos da Astronomia grande admiração e que considera, como já disse o grande astrônomo Carl Sagan, ...” a Astronomia como um exercício de humildade e formação de caráter”, que trabalha numa das mais renomadas instituições de ensino deste país ser brindado, à vista desarmada, com um verdadeiro espetáculo no céu sobre o CMPA.
ISS
Constelação de Órion
Na noite de 09 de março de 2012 o céu limpo permitiu as seguintes visões: logo após o pôr do sol próximo de 19h00, até 19h30, foi possível ver a conjunção Vênus-Júpiter com distância angular de 4º os quais mansamente foram desaparecendo por sobre o telhado Oeste do Velho Casarão; às 20h20 surge por trás do torreão, com Órion ao fundo, a brilhante ISS com magnitude -3,0, parecendo Júpiter movendo-se com incrível velocidade. Passados quatro minutos ela percorreu 40º de céu sendo então envolvida na sombra da Terra. No zênite apresentava-se a mais brilhante das estrelas de toda abóbada celeste, Sírius, que brilhava dominante. Difícil imaginar os quase nove anos luz que nos separam.  À nordeste, numa altura de 30º, reluzia firme o vermelho Marte, que fazia esplêndido contraste com a imensa Lua que surgia na face Leste do Pátio Plácido de Castro.
Sírius
E eu lá, parado bem no centro do Pátio Plácido de Castro, admirado com o múltiplo espetáculo celeste. Quem não entendeu muito a minha presença àquela hora da noite olhando o céu por memoráveis e inesquecíveis minutos foi a guarnição de serviço. Ao passar pelo portão de saída do CMPA, às 20h40, o comandante da guarda despediu-se com um desconfiado “bom descanso tenente”.
Marte
Na volta para casa, minha neta esperava curiosa para saber “Onde você foi vovô?” Conforme convém a uma pergunta simples, expliquei a ela que estava “olhando” o céu, no que me treplicou “Está mesmo bonito hoje.” Fiquei por alguns momentos saboreando a sensação do pouco, porém mais do que necessário conhecimento, que me faz entender a origem de tudo quanto compõem o que existe na Terra, sejam as pedras, as folhas, o tecido do sofá, os órgãos do ser humano, que tiveram seus elementos químicos forjados dentro de uma estrela.
Lua
O conhecimento é algo sensacional
PS 1: Durante os minutos de observação pensei em ligar para um amigo meu, também encantado com a Astronomia e perguntar a ele se estava vendo o espetáculo celeste, mas em pouco tempo desisti de fazer a ligação. Seria uma decepção caso ele não pudesse olhar o céu.
PS 2: Demorei a postar o que já havia escrito no próprio dia da observação, 09 de março de 2012. Antes tarde do que nunca.

Porto Alegre-RS, 16 de novembro de 2012
Gentil César Bruscato – 1º Ten
 Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé