Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Pátio do 1º CTA, Rua Cleveland, 250, com entrada pelo 1º CGEO, antiga 1a. DL, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 69m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 7,5 + 5log (D): 14,73; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,04; Comprimento do tubo óptico: 17” (43,18cm); Massa: 42 libras (19,1kg).

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Eclipse total lunar de 21 de janeiro de 2019

Conforme vinha sendo anunciado, na madrugada de hoje ocorreu o eclipse total da super-lua visível integralmente em todas as Américas. Porém, em Porto Alegre, tivemos uma grande frustração, pois quem ficou acordado durante a madrugada para ver o fenômeno viu pouca coisa, devido ao grande numero de nuvens no céu que escondiam o fenômeno.

Mas sempre temos gente teimosa que insiste em enfrentar com o maior otimismo as agrurias que nos cercam nos momentos mais importantes. Entre essas pessoas teimosas e otimista encontramos o professor Bruscato, que nos presenteou e testemunhou com algumas belas fotos o eclipse, que poderá se repetir novamente em janeiro de 2021.



Para completar, o professor Bruscato remeteu algumas de suas fotos para o site Spaceweather, para divulgação mundial. Conferir em

http://spaceweathergallery.com/indiv_upload.php?upload_id=151174

domingo, 20 de janeiro de 2019

Seu Guia para o Eclipse Total da Super-lua de Janeiro de 2019






A primeira lua cheia de 2019 encontra a sombra da Terra em um eclipse total amplamente visível na noite de 20 a 21 de janeiro. Aqui está um guia sobre o que esperar.

By: Bob King | January 9, 2019



Um total de 62 minutos de luxo da totalidade. Isso é o que podemos esperar na madrugada de 21 de janeiro, quando a Lua Cheia faz uma dança lenta através da umbra da Terra (a região mais interna e mais escura da sombra). O último eclipse lunar total sobre as Américas aconteceu na madrugada de 31 de janeiro de 2018.

Se você é adepto de comparar tamanhos de Lua Cheia, examine a Lua durante o eclipse. Parece maior que o normal? Na verdade é! O perigeu, quando a Lua está mais próxima da Terra, ocorre apenas cerca de 14 horas após o eclipse máximo. Isso faz com que seja uma super-lua, definida como uma lua cheia que chega a 90% da sua aproximação mais próxima da Terra. O diâmetro angular médio da Lua Cheia é de 31 minutos de arco, mas durante o eclipse serão 2,2 minutos de arco mais largos.

Existem muitas maneiras de aproveitar um eclipse lunar. A olho nu, você pode observar o imponente progresso da Lua dentro e fora da sombra da Terra e sua incrível transformação em cor e brilho. Os binóculos tornam as cores do eclipse mais vivas e proporcionam excelentes vistas 3D da Lua totalmente eclipsada suspensa entre as estrelas. Um telescópio revelará cores sutis na sombra da Terra, bem como "mini-eclipses" de crateras e outras características lunares, à medida que a sombra as cobrir uma após a outra.

A diversão começa cedo durante a fase da penumbra, quando a Lua desliza para dentro da penumbra da Terra, ou sombra externa. Apesar de inicialmente invisível, você deve começar a notar o sombreamento da penumbra por volta de 20 a 30 minutos, quando a sombra translúcida tingir a borda inferior esquerda (leste celestial) da Lua em um cinza sutil. Procure por uma aparência embotada ou "suja".

A umbra vem em seguida, anunciando sua presença como uma mordida escura e crescente na roda de queijo lunar. Teste sua percepção de cor observando quantos minutos de eclipse parcial você vê a cor na sombra da Terra.

Em algum momento durante as fases parciais, pegue seus binóculos e examine a borda da sombra. Muito confuso, não é? A sombra da Terra tem uma borda suave pela mesma razão que uma árvore lança uma sombra difusa. Como o Sol é um disco estendido em vez de um ponto de luz, a luz de um lado do disco se derrama em áreas que o outro lado do Sol não consegue alcançar e vice-versa. Este "derramamento" suaviza e difunde a borda da sombra. Apenas fontes pontuais como Vênus podem criar sombras com bordas definidas.

Enquanto você está assistindo, você também notará que a sombra é curva, uma pista que observadores antigos costumavam deduzir que a Terra deve ser esférica. Aristóteles escreveu no seu livro “Sobre os Céus”:

“A terra é esférica ... em eclipses o contorno é sempre curvo: e, como é a interposição da terra que faz o eclipse, a forma dessa linha será causada pela forma da superfície da Terra, que é, portanto, esférica. "

Dois minutos antes da totalidade, apenas a borda da Lua ainda permanece na luz do sol (e a luz do sol na penumbra!) Em impressionante contraste com os sombrios e belos vermelhos e laranjas que tingem o resto do disco lunar. Se a Terra não tivesse atmosfera, a Lua desapareceria completamente dentro de sua sombra. Então, poderíamos vê-lo apenas com a visão privilegiada sob o céu rural, como um disco preto em silhueta contra o brilho débil do gegenschein.

Nós somos resgatados desta terrível situação pela luz solar que é refratada ao redor da circunferência da Terra e na sombra do planeta. Como os raios solares raspam o limbo da Terra da mesma maneira que fazem no nascer e no pôr do sol, as cores mais frias são espalhadas pela atmosfera, deixando as mais quentes para filtrar e pintar a Lua em lindas cores quentes, cuja intensidade tem muito a ver com o estado da atmosfera da Terra. Se relativamente livre de materiais como aerossóis vulcânicos, o eclipse será brilhante, mas se não, a Lua pode às vezes ficar tão escura a ponto de ser difícil de encontrar em um céu poluído pela luz.

Tome um minuto durante a totalidade e finja que você é um astronauta parado na Lua olhando para a Terra. A primeira coisa que você notaria é uma grande queda de temperatura. O Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA mediu declínios na ordem de 250 ° F durante o eclipse de junho de 2011. Agora, olhe ao redor e você verá as rochas brilhando como uma laranja esfumaçada, enquanto a borda vermelha vibrante do disco enegrecido da Terra cobre lentamente o Sol em um eclipse solar total.

Como a Lua cruza a sombra da Terra bem ao norte do centro da umbra, o limbo norte deve ser relativamente brilhante em toda a totalidade em comparação com o sul. Preste atenção a mudanças sutis na iluminação e matiz enquanto a Lua se move através da umbra, e por todos os meios observe o evento a partir de um local do céu escuro. Dessa forma, você pode apreciar completamente a estranha quietude que se espalha pela terra quando a luz da lua é totalmente apagada, e as estrelas e a Via Láctea retornam com força total.

Com o brilho da Lua apagado, observadores que utilizem telescópios terão a chance de ver a Lua ocultando várias estrelas na constelação de Câncer. Para mais detalhes, acesse o site Grazing OccultationMaps, de Eberhard Riedel.

A escuridão recente também revelará uma presença difusa a cerca de 6 ° a leste da Lua avermelhada - o Aglomerado da Colmeia. Ambos se encaixam em binóculos de campo amplo. Se você quiser fotografar o par, use uma distância focal de 150 mm ou menor, sua configuração de lente mais ampla, uma ISO de 800 a 3200 e exposição de 15 a 30 segundos. Para um guia completo sobre a fotografia do eclipse lunar, visite o site Mr. Eclipse de Fred Espenak.

Quando a totalidade termina, o limbo lunar volta a entrar na luz solar filtrada. O eclipse agora corre em sentido inverso à medida que a Lua lentamente se desprende da sombra da Terra e as estrelas voltam a se esconder.

Do começo ao fim todo o evento durará mais de 5 horas, embora eu duvide que a maioria de nós fique até o amargo fim. Uma noite há muito tempo, eu fiquei. Quando finalmente estava pronto para dormir, dei uma última olhada e vi uma Lua branca brilhante brilhando quase no céu como se nada tivesse acontecido.

Se o mau tempo ameaçar ou você viver na zona sem eclipse, você pode assisti-lo via transmissão ao vivo no Projetode Telescópio Virtual de Gianluca Masi, Timeanddate.com e SLOOH.




Horários das fases do eclipse para Porto Alegre, segundo o software SkyMap Pro Version 10, C. A. Marriott, 1992 - 2003.

Lua entra na penumbra:
2019 jan 20 23:34:43
Lua entra na umbra:
2019 jan 21 00:33:16
Início da totalidade:
2019 jan 21 01:40:30
Máximo do eclipse:
2019 jan 21 02:11:59
Fim da totalidade:
2019 jan 21 02:43:30
Lua sai da umbra:
2019 jan 21 03:50:44
Lua sai da penumbra:
2019 jan 21 04:49:15