Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Rua Cleveland, 250, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 75m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 2,5 . log (D / 6,2) 2 + mVS: 14,7; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,7; Comprimento do tubo óptico: 17”; Massa: 42 libras (19,1kg).

sexta-feira, 30 de julho de 2010


Rochas de Marte podem ter fósseis de 4 bilhões de anos



Pesquisadores norte-amerecianos identificaram rochas que, acreditam, poderiam conter restos fossilizados de vida em Marte. A equipe de pesquisadores indentificou rochas antigas da Nili Fossae, uma das fossas existentes na superfície do planeta. O trabalho dos pesquisadores revelou que essa vala em Marte é um equivalente a uma região na Austrália onde algumas das mais antigas evidências de vida na Terra haviam sido enterradas e preservadas em forma mineral. A equipe, coordenada por um cientista do Instituto para busca de Inteligência Extraterrestre (SETI), da Califórnia, acredita que os mesmos processos hidrotermais que preservaram as evidências de vida na Terra pdoem ter ocorrido em Marte na Nili Fossae. As rochas dem até 4 bilhões de anos, o que significa qeu elas ja existiam nos ultimos três quartos da história de Marte.

Carbonatos

Em 2008 cientistas descobriram carbonatos nessas rochas de Marte, provocaram um grande alvoroço na comunidade científica, já que os carbonatos eram procurados havia tempos como prova definitiva de que o planeta vermelho era habitavel e que poderia ter existido vida por lá. Os carbonatos são produzidos pela decomposição de material orgânico enterrado, se esse material não é transformado em hidrocarbonetos. O mineral produzido pelos restos fossilizados de carapaças e ossos, e permite uma maneira de investigar a vida que existia nos primórdios da Terra. Na nova pesquisa, publicada na última edição da revista especializada Earth and Planetary Science Letters, os pesquisadores avançaram a partir da identificação dos carbonatos em Marte.

Missão da NASA

O coordenador do estudo Adrian Brown, usou um instrumento a bordo de uma missão da Nasa para estudar as rochas da Nili Fossae com raios infravervelhos. Eles, depois usaram a mesma técnica para estudar rochas na área do noroeste da Austrália chamada Pilbara. A região de Pilbara (pronucia-se Pilbra) localizada no NE da Austrália forneceu as evidências fósseis mais antigos do planeta Terra. Um estudo publicado na revista Nature mostra que por volta de 3,5 bilhões de anos existia um ecossistema microscópico complexo, e que vestigios desse ecossistema ficou preservado nas rochas desse período. Essa evidência mostra que as rochas de forma estranha encontradas nessa região não são formadas via química inorgânica, mas organicamente; i.e., que essas estranhas formações rochosas são o produto da atividade biológica, segundo a astrobióloga Abigail Allwood, enfatizando que essas evidencias sugerem que a vida se estabeleceu facilmente em nosso planeta provavelmente antes de 3,5 bilhões de anos.
Essa formação rochosa permite a nós uma pequena janela para observar o que estava acontecendo na Terra em seus estagios iniciais, explicou Brown à BBC. Os pesquisadores acreditam que micorganismos formaram há bilhões de anos algumas das características distintivas das rochas de Pilbara. O novo estudo revelou que as rochas da Nili Fossae são semelhantes às rochas de Pilbara em sua composição química mineral.
Brown e seus colegas acreditam que isso mostra que os vestígios de vida que possa ter existia no início da históra de Marte podem estar enterrados nesse local.
"Se havia vida suficiente para formar camadas, para produzir corais ou algum tipo de bolsões de microrganismos, enterraos em Marte, a mesma dinâmica que ocorreu na Terra pode ter ocorrido ali" disse Brown. Ele e muitos outros pesquisadores esperavam que pudessem logo ter a oportunidade de estudar mais de perto as rochas de Nili Fossae. O local havia sido marcado como um potencial local de pouso de uma nova missão para Marte, a ser lançada em 2011 pela Nasa. Mas o local foi posteriormente considerado muito perigoso para um pouso e acabou removido da lista da Nasa em junho desse ano. O robô da Nasa acabará visitando outro local interessante quando pousar, mas esse local é o que deveríamos checar para descobrir se havia vida nos primórdios de Marte, lamenta Brown.


Fonte:

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/bbc/2010/07/30/rochas-de-marte-podem-ter-fosseis-de-4-milhoes-de-anos-dizem-cientistas.jhtm

http://www.abc.net.au/am/content/2006/s1658285.htm

http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2010/07/100730_marte_fosseis_rw.shtml

Nenhum comentário: