Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Rua Cleveland, 250, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 75m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 2,5 . log (D / 6,2) 2 + mVS: 14,7; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,7; Comprimento do tubo óptico: 17”; Massa: 42 libras (19,1kg).

sábado, 18 de setembro de 2010

Novos Mapas das crateras da Lua

Nasa cria primeiro catálogo completo de grandes crateras na Lua.


Cientistas da Nasa criaram o primeiro catálogo completo de grandes crateras na Lua, sendo 5.185 com diâmetro igual ou superior a 20 km. O satélite foi bombardeado por duas populações distintas de asteroides ou cometas na sua juventude, e sua superfície é mais complexa do que se pensava, de acordo com os novos resultados da espaçonave Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), apresentado em três artigos da Science, publicados na edição de 17 de setembro.

O primeiro trabalho, do autor James Head, da Universidade Brown, em Providence, descreve resultados obtidos a partir de um mapa topográfico detalhado global da Lua criado usando o LRO Lunar Orbiter Laser Altimeter (LOLA). "Os dados mostram que os impactos mais antigos e em terras mais altas podem ser claramente diferenciados dos choques mais jovens no "lunar maria" - bacias gigantes originarias de impactos que foram cheias de lava solidificada", disse Head. "As altas têm uma maior densidade de crateras grandes em comparação com os mais pequenos, o que implica que os impactos mais antigos foram proporcionalmente em maior número do que os que vieram depois".

impactos de meteoritos podem alterar radicalmente a história de um planeta. A Lua, Marte e Mercúrio possuem crateras de centenas ou mesmo milhares de quilômetros de diâmetro. Se a Terra também esteve submetida a este ataque - e não há nenhuma razão para assumir o nosso planeta foi poupado - esses impactos enormes poderia ter perturbado a origem primeira da vida. Grandes impactos que ocorreram mais tarde parece ter alterado a evolução da vida. Os cerca de 110 quilômetros de diâmetro da cratera, parcialmente enterrados em Chicxulub, na península de Yucatán, no México, é de um impacto de cerca de 65 milhões de anos atrás que hoje acredita-se ter conduzido ou contribuído para o desaparecimento dos dinossauros e muitas outras formas de vida .

Os cientistas que tentam reconstruir a história bombardeio de meteoritos da Terra enfrentam dificuldades porque as crateras são erodidas pelo vento e pela água ou são destruídos pela ação de placas tectônicas. No entanto, um rico acervo de crateras é preservada na Lua, porque ela só tem uma atmosfera extremamente fina - um vácuo melhor do que aqueles normalmente utilizados para experimentos em laboratórios na Terra. A superfície da Lua não tem água, em estado líquido, nem placas tectônicas. A única fonte de erosão significativa são outros impactos.

"A Lua é, portanto, semelhante a uma pedra de Rosetta para a compreensão da história bombardeio da Terra", disse Head. "Assim como a pedra Rosetta, o registro lunar pode ser usado para traduzir os 'hieróglifos' do registro de impacto mal conservados na Terra. "

Nos outros dois artigos da Science, os pesquisadores descrevem como os dados mostram como os processos geológicos que formaram a superfície lunar eram complexos. Eles revelaram diferenças na composição inédita nas terras altas da crosta e confirmam a presença de material de sílica anormalmente rica em cinco regiões distintas.

Fontes das fotos e texto:

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2010/09/17/nasa-cria-primeiro-catalogo-completo-de-grandes-crateras-na-lua.jhtm

Para saber mais sobre esse projeto e ver o video acesse:

http://www.nasa.gov/mission_pages/LRO/news/turbulent-youth.html

http://www.nasa.gov/mission_pages/LRO/news/lro-briefing-20100916.html

Nenhum comentário: