Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Rua Cleveland, 250, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 75m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 2,5 . log (D / 6,2) 2 + mVS: 14,7; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,7; Comprimento do tubo óptico: 17”; Massa: 42 libras (19,1kg).

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Por que o mundo não terminou ontem?



A NASA está tão segura que o mundo não acabará em 21 de dezembro de 2012,que até publicou
um artigo para o dia seguinte.

22 de dezembro de2012: Se você estiver este texto, isso significa uma coisa: o mundo não terminou ontem.

            De acordo com  o enunciado de uma antiga profecia maia, foi suposto que o mundo seria destruído em 21 de dezembro de 2012.
            Aparentemente isso não aconteceu.
            A coisa toda foi um equívoco desde o início”, disse Dr.John Carlson, diretor do Centro de Arqueoastronomia. “O calendário maia não termina em 21 de dezembro de 2012, e não existe profecia maia que prenuncie o fim do mundo naquela data”.
            A verdade, diz Carlson, é mais interessante que a ficção”.
            Carlson é um cientista pragmático – um radioastrônomo que se graduou estudando as galáxias distantes. Seu interesse pelo fenômeno de 2012 começou ainda no início dos anos 70, quando participou de um encontro da American Association for the Advancement of Science e aprendeu muito sobre a civilização perdida dos maias.
            Onde hoje se localiza a floresta tropical Mesoamericana, ali floresceu uma grande civilização. A sociedade maia construiu grandes cidades, templos e pirâmides gigantescas. No seu auge, por volta de 800 A.C. a população contava com mais de 2000 habitantes por milha quadrada nas cidades – comparável a cidades modernas como Los Angeles. Eles dominavam a astronomia e elaboraram uma escrita, e deixaram param trás muitos artefatos de construção e artesanato requintados.
            O que mais atraiu Carlson foi o senso expansivo de tempo dos maias. “Os maias usavam escalas de tempo idênticas às que hoje são correntemente utilizadas pelos astrônomos”, explica. “De acordo com nossa ciência, o Big Bang ocorreu há 17 bilhões de anos atrás. Existem datas e referências temporais nas ruuinas maias que se estendem para um bilhão de bilhão de vezes anterior àquela data”.
            O calendário maia foi elaborado para acompanhar longos intervalos de tempo. “É o sistema de calendários mais complexo jamais desenvolvido pela humanidade”.
            Escrito na tipografia moderna, o calendário maia lembra o aspecto de um odômetro de um automóvel. É um sistema de base 20 modificado no qual os dígitos flutuantes representam potências de 20 dias. Pelo fato dos dígitos rotarem, o calendário repete-se; essa repetição é a chave para o fenômeno de 2012.
            De acordo com a teologia maia, o mundo foi criado 5125 anos atrás, que na datação moderna poderíamos escrever como “11 de agosto de 3114 AC”.  Nessa época o calendário maia pode ser lido como 13.0.0.0.0.
            Em 21 de dezembro de 2012 esse número se repetirá: 13.0.0.0.0.
            Na expressão dos estudiosos dos maias, 13 Bak’tuns ou 13 vezes 144.000 dias decorrem entre as duas datas. Esse era um intervalo muito significativo na teologia maia, mas, reforça Carlson, não destrutivo. Nenhuma das milhares de ruínas, tabletes e menires que os arqueólogos têm examinado prevêem o fim do mundo.
            A ciência moderna corrobora. Especialistas da NASA recentemente se reuniram em um encontro promovido pelo Google para rever suas próoprias descobertas com o público.
            Don Yeomans, diretor do Programa da NASA Near-Earth Object Program, afirmou que não existem asteróides ou cometas conhecidos que estejam em rota de colisão com a Terra. Nem existe um planeta errante que se aproxima para nos destruir. "Se houvesse alguma coisa lá fora como um planeta se dirigindo para a Terra", disse o astrobiólogo da NASA David Morrison, "e se houvesse já seria um dos mais brilhantes objetos no céu. Todo mundo na Terra poderia vê-lo. Você não tem  necessidade de consultar o governo, deve apenas sair e procurar. Ele não está lá".
            Lika Guhathakurta, diretora do Living with a Star Program da NASA, diz que o nosso Sol não é uma ameaça. "O sol tem queimado por bilhões de anos - muito antes mesmo dos Maya existirem - e em nenhuma vez destruiu o mundo".
            "Nesta época de agora o Sol está se aproximando do máximo de seu ciclo de atividade de 11 anos", ela acrescentou, "mas este é o mais fraco ciclo solar dos últimos 50 anos. Relatórios ao contrário, são exagerados".
            O que pensaria um maia antigo sobre toda essa badalação? Carlson acredita que sabe a resposta. Se pudéssemos trazer um maia para os dias de hoje, ele diria que 21 de dezembro de 2012 é uma data muito importante. Os maias acreditavam que seus deuses que criaram o mundo 5.125 anos atrás iriam voltar. Um deles, em particular, uma divindade enigmática chamado K'uh Bolon Yokte ', iria conduzir velhos ritos de passagem, para colocar o espaço e o tempo em ordem, e regenerar o cosmos. "O mundo seria atualizada, não destruído”.
            Tenho esperado para ver essedia por mais de 30 anos”, diria.
            Para ele, "experimentar o 21 de dezembro de 2012" significa visitar a terra natal maia em Yucatán, e voltar para os píncaros da civilização maia, quando os seres humanos antigos contemplavam extensões de ordens de magnitude de tempo além dos horizontes modernos.

(Tradução livre, versão e adaptação de Luiz Carlos Gomes. Em http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2012/14dec_yesterday/)

Nenhum comentário: